Artigos

MULHER, FERTILIDADE.

Novamente em evidência, a mulher, desta feita pela peculiaridade de representar universalmente, de ser, a representação universal da fertilidade. Desde os primórdios da existência do homem que é intrigante para os do sexo masculino como é que a mulher pode gerar outro ser e o hombre não tem está característica nem explicações satisfatórias, absolutas de poder gerar outra vida como é parte geral dos que pertencem ao sexo feminino. 

Já se evoluiu muito e ultilizou-se de mirabolantes explicações para explicar a existência do terceiro sexo, do parentesco sócio afetivo, da eutanásia e muitos outros assuntos que terminaram por ter explicações em marretadas intelectuais, na maioria das vezes explicando-se até aspectos da vida humana mesmo com uso de terminologia rica,   retórica, explicar o inexplicável. 

Segundo observações em nossos embrionários estudos no âmbito da vida humana só a mulher tem a faculdade da maternidade, pode ser mãe. A questão transcende o problema de grande indagação e é hoje pacificado de que o parentesco feminino da mãe de sangue só é possível para as fêmeas.  Admite -se hoje o parentesco socio afetivo mas este não elimina o genético e esbarram em grandes indagações que não conseguem explicar o que é perceptível de uma pequena observação, só a mulher é mãe isto em termos absolutos, completos não se pode discriminar o parentesco sócio afetivo mormente quando as constituições mais democráticas ou a legislação infra constitucional reconhece a paternidade, maternidade, o parentesco sócio afetivo com todas as suas prerrogativas. E é com essas considerações, sem qualquer discriminação que decantamos o respeito, a grandeza, o ônus e o bônus dos filhos adotivos, de criação, de sangue reconhecidos pacificamente pelas sociedades mais desenvolvidas, em respeito ao leitor, dito que pensamos, registramos e mandamos o nosso abraço, os nossos parabéns sem as restrições que se faz por questão de gênero, de conveniências, sendo o  mais absoluto e sincero amoção de parabéns a todas que exercem as prerrogativas de mãe, registrando apenas que de um ponto de vista comum a quem tem a minha e satisfatória visão não se pode atribuir fertilidade a outras situações que não sejam as exercidas única e exclusivamente pelas mulheres com os seus organismos de grande complexidade mas ricos que de outros seres embora com algumas presenças em variados seres, finalizando e repetindo que são estas palavras de congratulações a todas e quaisquer espécies de mãe.

“O documento em cópia oferecido para prova poderá ser declarado autêntico pelo próprio advogado sob sua responsabilidade pessoal”.